Clube da Luta - Chuck Palahniuk

12:19 Helena Dias 10 Comments

Livro: Clube da Luta
Autor: Chuck Palahniuk
Editora: Leya




Sinopse: O clube da luta é idealizado por Tyler Durden, que acha que encontrou uma maneira de viver fora dos limites da sociedade e das regras sem sentido. Mas o que está por vir de sua mente pode piorar muito daqui para frente. Considerado um clássico moderno desde sua publicação em 1996, o livro Clube da Luta consagrou Chuck Palahniuk como um dos mais importantes e criativos autores contemporâneos, além do próprio livro como um cânone da cultura pop. O livro foi filmado em 1999, Por David Fincher, que possui duas nomeações ao Oscar, que conseguiu adaptar toda atmosfera do livro, o mundo caótico do personagem e o humor negro de Palahniuk em uma trama recebida com inúmeros elogios pela crítica e pelo público.


[Minha Opinião]

Clube da Luta é um livro que deve ser lido. Por todos, arrisco dizer. Acho interessante como fico anestesiada quando gosto muito de um livro. Fico sem saber por onde começar e o que falar dele. Claro que, se você assistiu ao filme primeiro, não lerá o livro da mesma maneira, afinal você não se sentirá conduzido durante toda a trama para, no fim, se surpreender e entender todas as atitudes do protagonista. Mas, acredite, você tem que ler, ainda assim!


Apesar de ter a narrativa em primeira pessoa, o livro não possui uma cronologia definida. Clube da Luta é uma viagem pela mente confusa do protagonista e sua relação com Tyler, Marla, o Clube e a sociedade de um modo geral. A obra critica constantemente o modelo de vida perfeita, que também é o tipo de transformação pelo qual o personagem está passando.

"Você compra móveis. E pensa, este é o último sofá que vou precisar na vida. Você compra o sofá e fica satisfeito durante uns dois anos porque, aconteça o que acontecer, a parte de ter um sofá já foi resolvida. Depois precisa do aparelho de jantar certo. Depois da cama perfeita. De cortinas. E do tapete. 
Então você fica preso em seu belo ninho e as coisas que costumavam ser suas agora mandam em você." p. 50

A escrita original de Chuck é capaz de prender o leitor facilmente, e me atraiu demais. Apesar de simples e rápida, carrega classe e intensidade na maneira como as palavras são colocadas em cada parágrafo. Ele põe em prática, de forma extremamente fiel, o que é ser "primeira pessoa". A maneira como ele conduz os diálogos, através da visão do protagonista, torna o livro mais dinâmico e diferente. Falando de personagens, os mesmos são muito bem construídos, cada um com suas personalidades, características próprias e, principalmente, se destacando no momento certo. São quase como pessoas reais, eu diria.

"O que você precisa saber sobre Marla é que ela ainda está viva. A filosofia de vida de Marla, ela disse, é que pode morrer a qualquer momento. A tragédia na vida dela é que ela não morre." p. 134



A cenas são muito bem conduzidas, e, em muitos casos, possuem um detalhe importante para o final da obra. Ahhh, o final. Chuck teve sua grande jogada ao criar esse desfecho. Eu gosto de pensar que ele conseguiu colocar dois tipos de finais nesse livro: o surpreendente e o interpretativo. Não que você tenha que escolher entre um ou outro (tipo final alternativo de filme), não é isso. É mais um tipo de dois em um. Ao mesmo tempo que você é surpreendido com revelações, o destino do protagonista está a cargo da sua interpretação, o que torna a obra ainda mais interessante, complexa e fantástica.

"Uma coisa que precisarei aprender antes do final da civilização é como olhar para as estrelas e saber para onde estou indo." p. 185

Enfim...
O livro é cheio de humor negro, questões filosóficas e socos. É insano, violento, frenético e brilhante. Não importa se você já assistiu ao filme e conhece a história, leia mesmo assim e faça parte do Clube da Luta.

"Como tudo que você já amou o rejeitará ou morrerá.
Tudo que você já criou será jogado fora.

Tudo que você tem orgulho vai virar lixo.
Sou Ozymandias, o rei dos reis." p. 250


Aos que já leram, gostaram?
E, aos que não leram ainda, o que acharam? 

Beijos Literários.

10 comentários:

[Parceria] Autora: Joyce Xavier

14:11 Helena Dias 5 Comments

Olá, seus lindos!!

Eu vim aqui hoje apresentar a vocês a mais nova parceria do blog, a autora Joyce Xavier.
Antes de falar um pouco do livro, vamos conhecer a autora.


Joyce Xavier, nascida no Rio de Janeiro, apaixonada por música e composições, começou a escrever aos 16 anos. Criou alguns blogs pela internet, mas somente após uma depressão se entregou às redes sociais, onde criou a sua Fan Page “A tal da Joyce Xavier” em março de 2013. Publicou seu primeiro livro em 2014 e neste mesmo ano criou a página e o projeto, Colorindo as Palavras, o qual rendeu-lhe um livro em co-autoria e, no mesmo mês, lançou o seu segundo livro que fala somente sobre amor, Encantos. Entre seus planos estão a conclusão da sua faculdade de Letras e Literatura, ingressar no mercado Europeu e a continuação no caminho que lhe deu a cura e a vida: a escrita. ( Fanpage )

LIVROS

Brilho da minh'alma Skoob )

Autêntica e ousada, sem perder a sensibilidade. É assim que defino Joyce Xavier, se é que ela é capaz de ser definida pelo principal instrumento de seu maior talento: as palavras.
É difícil definir alguém que consegue transmitir sentimentos e pensamentos para o papel a ponto de nos fazer sentir que somos os personagens dos seus textos. Assim, é inevitável não se identificar com o que ela escreve, já que seus textos são exatamente o equilíbrio entre uma acidez espontânea, que transborda sua sinceridade sem censura, e a delicadeza de uma notável e surpreendente doçura, que torna a sua arte ainda mais bonita e admirável!
A tal da Joyce Xavier é uma escritora que rabisca o que a alma vive... Ao lermos os seus escritos, sentimos não só a sua alma magnífica, mas, a nossa própria alma, devido às suas vivências e boas doses de verdade. Enfim, mergulhamos em suas reflexões, que se tornam nossas. O que ela escreve, muitas vezes, é o que o nosso coração sente e a nossa voz não encontrou palavras para expressar. Sou uma grande fã do seu trabalho e agradeço muito pela honra de acompanhar o seu incrível potencial, que tantas vezes me ajuda a encontrar as respostas das perguntas que a vida me faz. E, apesar do brilhantismo como escritora, sou ainda mais fã da essência de menina mulher, que não tem medo de dizer o que realmente pensa, que nunca hesita em ser o que realmente é. E é isso que os aguarda em Brilho da minh’alma

Por Beatriz Zanzini

Encantos ( Skoob )

É necessário enxergar a vida com olhos de quem acredita. A esperança deve ser cega, ou melhor, ela deve estar casada com a certeza da vitória. Ao longo de nossas vidas percorremos caminhos íngremes, tortuosos e, muitos deles, cheios de espinhos. Nós crescemos é com as quedas, as cicatrizes nos fazem lembrar por onde andamos. Elas têm o papel de nos fortificar.
Joyce Xavier nos prova que é possível levantarmos após um tombo. Com textos breves o livro Encantos te convencerá que apesar dos pesares é possível acreditar que existe um amor para nós. Que o amor-próprio deve nortear as nossas decisões. Amar-se deve ser palavra de ordem. Ordene-se.
Leia calmamente em um jardim qualquer e aguarde as borboletas. Às vezes precisamos de um pouco de distração. Não seja tão urgente em amar. Deixe a vida te surpreender. Apenas. 

Pâmela Marques 
Autora de Mel e Pimenta e co-autora de 
Colorindo as Palavras – nossas cores, flores e sabores.


Colorindo as palavras: nossas dores, nossas cores

Cada indivíduo é o resultado de uma grande mistura de ingredientes. Conquistas, decepções, paixões, amores etc. Todos esses ingredientes juntos formam este ser únicos que é cada um de nós. É sabido que o pintor utiliza as cores de sua paleta com o intuito de criar uma pintura capaz de eternizar um momento em cores. O escritor é como um pintor. Ele tem a capacidade de olhar para dentro de si, resgatar as cores que compõem a sua alma e, assim, utilizar seus ingredientes primários e fundamentais para criar textos. Transforma-os em obras literárias, esvaindo-se, palavra por palavra, linha por linha.
Neste livro o leitor encontrará textos de alguns desses autores que possuem como ingrediente primordial a necessidade de transformar suas dores em cores, colorindo as palavras com um pouco de si mesmo.


Rafael L. Toscano
Autor de Enforcados e co-autor de 
Colorindo as palavras - nossas dores, nossas cores.


Tenho certeza que já deu vontade de ler todos!!!
Beijos Literários!!

5 comentários:

[ENTREVISTA] Juliana Daglio

15:30 Helena Dias 6 Comments

Juliana Daglio tem vinte e poucos anos, é psicóloga clínica, apaixonada por Psicanálise, viciada em Livros e amante do Rock Britânico. Desde criança, é vidrada em faz de conta e inventava inúmeros personagens para conversar. Assistia a filmes sobre vampiros já aos seis anos, mesmo que tivesse que se esconder atrás do sofá. Na adolescência, dizia que iria ser uma Libélula. Hoje em dia se diz uma adulta confusa, que ainda adora vampiros, não ganhou asas de libélula, mas escreveu um livro sobre elas, transformando seus personagens inventados em pessoas reais, embora sejam feitas de tinta e papel.

Café com Livro: Juliana por Juliana.
Juliana Daglio: Um tanto quanto doida, ansiosa e muito empolgada com a vida.

CcL: Com quantos anos você descobriu o seu gosto pela leitura?
JD: Quando eu tinha 8 anos disse à minha mãe que queria escrever um livro. Criei uma historinha que escrevi num caderno de desenho, e até ilustrei. A ilustrações ficaram horríveis. Na adolescência foi que os personagens e os enredos começaram a aparecer. Eu tinha muita fantasia dentro da mente, ficava muito alienada nas minhas viagens, então resolvi começar a colocar para fora, escrevendo em minha agenda, ou contando histórias para meu irmão e meu primo antes de dormir. A escrita foi surgindo aos poucos durante minha vida, desde que me apaixonei pelas palavras, lá na infância.



CcL: Como surgiu o gosto pela escrita?
JD: Com meu livrinhos de Contos de Fada, e também com os da série Vagalume. Tinha umas histórias que me faziam viajar tanto, que eu me sentia num mundo paralelo. Acho que posso dizer que a leitura faz parte da formação da minha personalidade.

CcL: Todos nós sabemos como é difícil escrever um livro. Em algum momento pensou em desistir?
JD: Quando me vi cheia de pontos pra amarrar na história, achei que talvez eu não iria conseguir. Pensei em desistir ali, com medo de fazer uma história cheia de lacunas. Mas o sonho era tão grande, que eu não me aguentei, fui estudar sobre o assunto e comecei tudo de novo.

CcL: Conte-nos uma curiosidade sobre você.
JD: Como eu disse, meu nível de loucura é meio acentuado. Eu gosto de conversar em voz alta com meus personagens. Faço a fala de todos, imagino eles ali comigo, e assim eu consigo entende-los melhor. Minha mãe e meu namorado já sabem disso, e quase nem acham estranho me ver falando sozinha.

CcL: Você se inspira em outros autores? Quais?
JD: Carlos Ruíz Zafón e Markus Zusak. Os dois são como mestres pra mim. Eu me sinto preenchida com os livros deles, e tenho esse sonho de um dia escrever algo que possa fazer alguém se sentir da mesma forma.

CcL: Como você sabe, eu sofri com a depressão durante muito tempo (e ainda sofro). Creio que, por esse motivo, seu livro mexeu comigo de várias maneiras. Gostaria de saber se você teve algum motivo especial para escrever sobre esse tema?
JD: Eu passei por alguns períodos difíceis em que vivenciei a presença da Vilã Cinzenta. Em alguns momentos pensei que usava a escrita como fuga,  mas o que era ruim acabou virando arte e me ajudando a superar. Na minha família tenho meu pai que sofre de Depressão há anos, e algumas falas da Vanessa para seus familiares são inspiradas em coisas que o ouvi dizer.

CcL: Por vezes, sentia você na Vanessa. Algum personagem foi baseado em alguém que você conhece?
JD: Acho que nós somos fisicamente semelhantes, embora ela seja diva demais, né. Criei algumas semelhanças físicas pra compor a personagem, pois me sentia mais conectada a ela, como um espelho. Pensei em mudar tudo depois, mas como uma dica da minha mãe, resolvi que a deixaria da mesma forma, como ela foi concebida.
Psicologicamente somos diferentes. Às vezes eu quero bater nela por conta dessa dificuldade que ela tem se perceber o quanto as pessoas a amam. Eu valorizo muito as pessoas ao meu redor e o afeto que me dão.
Contudo, nenhum personagem é intencionalmente inspirado em alguém, são todos frutos de muitas inspirações juntas.

CcL: Ju, você é psicóloga. Foi mais fácil escrever “Uma Canção para a Libélula” por conta disso? Ou você pesquisou mais sobre o assunto?
JD: A psicologia me ajudou em termos de conhecimento na área de psicopatologia. Sintomatologia, Diagnóstico, tudo isso me ajudou muito. A Psicanálise foi minha fonte de inspiração para a construção da Vanessa, e pesquisar sobre as teorias de Freud e Melanie Klein foi o que me ajudou a dar mais veracidade à trama. Sem a psicologia esse livro não teria saído.

CcL: Você está tem um novo projeto literário, “O Lago Negro”. Do que se trata? Também é um sick-lit?
JD: O Lago Negro é uma história que também pende para esse lado psicológico. Eu o consideraria um suspense psicológico, pois a personagem fica envolvida pelas próprias lembranças reprimidas, pelas ideias, e por algumas alucinações também. A Verônica é uma personagem mais agitada,  explosiva, cheia de criatividade e uma ironia bem dosada. A história começa quando ela se muda para o interior pra cursar Jornalismo e para começar a escrever um livro que sempre quis escrever. Então a cidade, o livro, os novos amigos, começam a mostrar a ela que existe algo ali de que ela não se lembra, mas que pode ter sido decisivo nos eventos que levaram a um grande trauma, 8 anos antes, e que podem leva-la para o mesmo caminho. Novamente. Ok, falei demais! Hahahaha

CcL: O que podemos esperar desse novo livro?
JD: Acredito que um pouco mais de adrenalina que o primeiro livro, também um pouco de romance. Espero que o mistério que envolve a Verônica possa prender os leitores como me prendeu à tela do computador enquanto eu escrevia.

CcL: Para finalizar, deixe uma mensagem para aqueles que sonham em ser escritores e para os leitores também.
JD: Para meu futuros colegas: não desistam dos seus sonhos! Acreditem no potencial criativo dentro de cada um, e não deixem que as dificuldades do mercado editorial venham a desanimar.
Para os leitores: eu só tenho a agradecer o carinho de vocês. Hoje sou mais feliz, e escrevo ainda com mais vontade, pois sinto todos do outro lado. Aos futuros leitores, quero abraça-los e dizer que sejam bem-vindos, mesmo que talvez não gostem tanto dos livros. Todos são muito queridos. 


[Nota Pessoal]
Uma carioca e uma paulista que se encontraram através de uma paixão em comum. Eu conheci a Ju graças ao mundo literário. Ela foi a primeira parceira do meu blog, a primeira pessoa que conheci dentro desse meio e a primeira amiga virtual. O tempo foi passando e fomos descobrindo muitas coisas em comum e criando uma afinidade sem tamanho. Hoje, posso dizer que tenho a Ju não só como parceira literária, mas como uma grande amiga. Nunca nos vimos pessoalmente, mas sinto como se a conhecesse há anos e tivéssemos passados várias férias juntas. Rimos das besteiras que falamos (que é quase o tempo todo), apoiamos uma a outra em todos os momentos tristes e felizes, somos ogras (rsrs)... A gente se entende no nosso mundo louco. Não é difícil de entender a nossa amizade, se você parar pra pensar melhor. Tenho muito orgulho da Ju e desejo à ela todas as maravilhas do mundo!! Agradeço todos os dias por ter essa pessoa fantástica na minha vida!!
Se quiserem saber mais sobre o livro e a autora, segue alguns links abaixo:
Skoob Uma Canção para a Libélula: http://bit.ly/1xG6CRS
Skoob O Lago Negro: http://bit.ly/1uWtW0z
Skoob Juliana: http://bit.ly/1zY0kA9
Blog Literário: http://bit.ly/1D7jeo9
Facebook da autora: http://on.fb.me/1vjjqiH


Bom, seus lindos, espero que tenham gostado da entrevista.
Beijos Literários!

6 comentários:

10 curiosidades literárias que talvez você não saiba

10:35 Helena Dias 16 Comments

Já não é novidade para ninguém que ler é bom demais. Durante a vida, várias pessoas fazem questão de nos lembrar desse detalhe. Sempre somos encorajados a ler de tudo um pouco.

Acho que nós, admiradores da arte de ler, sempre gostamos de saber mais e mais sobre esse mundo que tanto amamos. Por isso, andei pesquisando e achei algumas curiosidades que talvez sejam muito úteis para você em algum momento da sua vida. Desde agradar ao professor de literatura a conquistar aquela paquera também amante dos livros. Ou apenas para conhecimento próprio. Seja qual for a sua motivação para continuar lendo, espero que tenha um bom proveito.


1. O título original de Fahrenheit 451 era "O Bombeiro"

Ray Bradbury e seus editores acharam que "O Bombeiro" era um título muito sem graça (e é mesmo). Então, ele ligou para o corpo de bombeiros local e perguntou em qual temperatura o papel queima. O bombeiro pediu que ele esperasse um pouco, enquanto ele queimava um livro (absurdo). Depois, ele voltou ao telefone e disse a temperatura.



2. Bradbury também escreveu o roteiro da adaptação de 1956 para Moby Dick.

Assim como muitos outros roteiros de filmes, contos e romances que tiveram a sua adaptação para o cinema.

3. Dom Quixote é o romance mais vendido de todos os tempos, com mais de 500 milhões de cópias.

Veja bem que eu disse ROMANCE mais vendido. Se for o LIVRO mais vendido, é a Bíblia mesmo.

4. Edgar Allan Poe queria um papagaio para repetir a frase "Nunca mais" (Nevermore), no poema "O Corvo".

Ainda bem que ele não perdeu o juízo por completo e disse que o papagaio não transmitia a melancolia do poema. Então, decidiu pelo corvo. (Ufa!)

5. Lolita, de Vladimir Nabokov, teve sua publicação recusada a princípio.


O romance era dito tão polêmico que apenas uma editora (Olympia Press) quis publicá-lo. Quando o livro virou sucesso três anos depois, outras editoras mudaram de ideia. (invejosas)

6. Charles Dickens acreditava em coisas sobrenaturais.

Ele até participava de um grupo chamado O Clube Fantasma. E também era grande fã de hipnose.

7. O personagem principal da Trilogia Cósmica, livros de ficção de C.S. Lewis, foi inspirado em J.R.R. Tolkien.



8. "Eu até terminei, editor, mas meu cachorro comeu"

Lendo assim até parece piada, né?! Mas, é a mais pura verdade.
O primeiro manuscrito de Ratos e Homens foi literalmente comido por Toby, o cachorro de John Steinbeck, autor do livro. Uma noite ele deixou o cachorro sozinho em casa e, quando voltou, ele havia comido parte importante do trabalho. Em um telefonema com o seu agente, Steinbeck disse: "eu fiquei bem irritado, mas o pobrezinho deve ter feito isso em um momento crítico."

9. Anna Karenina tem mais de 800 páginas, mas foi publicada originalmente em forma de série.

Entre os anos de 1873 e 1877, a Russian Messenger publicou o livro em forma de série. Mas, as visões políticas de Leo Tolstói, escritor da obra, divergiram com as do editor. Assim, houve interrupção e a obra só saiu por completo em forma de livro.

10. Gabriel García Márquez se recusa a permitir que Cem Anos de Solidão seja adaptado para o cinema. 


É estranho pensar nisso, já que diversos de seus trabalhos já viraram filme. Mas, o autor afirma que a razão pela qual não permite é que “eles colocariam alguém como Robert Redford para estrelar no filme, e a maioria de nós não tem parentes que se pareçam com Robert Redford”.


Espero que tenham gostado!!
Beijos Literários.

16 comentários:

[PROMOÇÃO] Aniversário dos blogs Olímpico Literário e Eu li, e você?

13:30 Helena Dias 28 Comments

Olá, seus lindos!! 

Nada como uma promoção para animar a vida, não é mesmo?! Rsrs




Um ano. O tempo passa rápido mesmo. Pois é, em pleno dezembro os blogs Olímpico Literário e Eu li, e você? comemoram seu primeiro ano de existência na blogosfera. Um ano repleto de muitas novidades e surpresas para ambos. E para agradecer a você leitor, que é muito importante para nós blogueiros, o Café com Livro se uniu aos aniversariantes e a outros blogs amigos para comemorar e presentear vocês. Dedicamos essa comemoração a vocês. Obrigado por estarem sempre juntinho aos nossos blogs!

Então, são 33 prêmios, incluindo livros e mimos para 5 ganhadores! E um desses ganhadores pode ser você. É fácil participar. Basta seguir as regras abaixo:

REGRAS
- Ter endereço de entrega em território nacional.
- Cumprir as entradas obrigatórias de cada blog participante de acordo com o kit de interesse.
- Comentar essa postagem deixando email válido para contato.
- Ao fim do sorteio, o ganhador deverá responder ao e-mail enviado num prazo de até 48hrs. Caso contrário, será feito um novo sorteio.
- Devido ao recesso das férias, os livros serão enviado num prazo de até 90 dias úteis.
- Cada blog é responsável pelo livro que cedeu.
- Não nos responsabilizamos por danos ou extravio causados pelos Correios.
- Caso o livro retorne por endereço incorreto informado pelo ganhador ou impossibilidade de entrega, não será feito um novo envio e o sorteado perderá o direito ao prêmio.
- O ganhador que descumprir alguma das regras, ou for sorteado com uma entrada não obrigatória que não tenha sido cumprida, será desclassificado.
- Perfis promocionais não serão aceitos e, caso forem sorteados, serão desclassificados.

E agora, é só preencher os formulários e torcer muito!



a Rafflecopter giveaway


a Rafflecopter giveaway


a Rafflecopter giveaway


a Rafflecopter giveaway


a Rafflecopter giveaway


BOA SORTE A TODOS!

Beijos Literários.

28 comentários:

[RESULTADO] Promoção Doces ou Travessuras

22:51 Helena Dias 0 Comments

Olá, seus lindos!!

Primeiro, desculpem pela demora na divulgação do resultado. Segundo, um aviso: Gente, vocês precisam ser mais atentos!! Tivemos que refazer o sorteio diversas vezes porque o sorteado não havia cumprido as regras devidamente.


Mas, depois de 154698761 sorteios, enfim, chegamos a um resultado!! Segue abaixo, os ganhadores. Eles já foram notificados por e-mail.



Seus lindos, vocês têm três dias para responder ao e-mail. Do contrário, serão desclassificados e um novo sorteio será feito!

Se você não ganhou, não desanime. Outros sorteios virão e pode ser a sua vez!!
Beijos Literários e até o próximo sorteio!!

0 comentários:

Claros Sinais de Loucura - Karen Harrington

10:08 Helena Dias 2 Comments

Livro: Claros Sinais de Loucura
Autora: Karen Harrington
Editora: Intrinseca


Sinopse: Você nunca conheceu ninguém como Sarah Nelson. Enquanto a maioria dos amigos adora Harry Potter, ela passa o tempo escrevendo cartas para Atticus Finch, o advogado de O sol é para todos. Coleciona palavras-problema em um diário, tem uma planta como melhor amiga e vive tentando achar em si mesma sinais de que está ficando louca. Não é à toa: a mãe tentou afogá-la e ao irmão quando eles tinham apenas dois anos, e desde então mora em uma instituição psiquiátrica. O pai, professor, tornou-se alcoólatra. Fugindo da notoriedade do crime, ele e Sarah já se mudaram de diversas cidades, e a menina jamais se sentiu em casa em nenhuma delas. Com a chegada do verão em que completa doze anos, ela está cada vez mais apreensiva. Sente falta de um pai mais presente e das experiências que não viveu com a mãe, já se acha grande demais para passar as férias na casa dos avós, está preocupada com a árvore genealógica que fará na escola e ansiosa pelo primeiro beijo de língua que ainda não aconteceu. Mas a vida não pode ser só de preocupações, e, entre uma descoberta e outra, Sarah vai perceber que seu verão tem tudo para ser muito mais. Bem como seu futuro.
[Minha Opinião]

Eu estava tentando me controlar para não comprar mais livros até a Black Friday desse ano, mas eis que o Submarino lança a promoção de 5 livros por 50 dilmas. Sabe quando você coloca alguns livros no carrinho só pra ter o gostinho de vê-los lá? Pois é, fiz isso inocentemente. Porém, quando eu vi que o frete era grátis, não resisti. Dentre esses livros estava "Claros Sinais de Loucura". Eu já tinha ouvido falar bastante desse livro e, depois que li a sinopse, decidi que seria uma ótima leitura.

Bom, esse livro conta a história de Sarah Nelson, uma menina que vive uma vida um tanto diferente. Desde pequena, ela e o pai mudam constantemente de cidade. Isso tudo porque, aos dois anos de idade, a mãe de Sarah tentou matá-la afogada e isso teve uma grande repercussão, não deixando ela e o pai viverem uma vida de paz. Prestes a completar 12 anos, ela não sabe nada sobre a sua mãe, além do fato dela ser louca e estar internada. Conversar com o pai sobre o assunto se tornou algo praticamente impossível, já que ele prefere se afogar em whiskey e remoer o passado. Conforme vai formando pensamento e desenhando a sua personalidade, Sarah adquiri certos hábitos, como colecionar palavras-problema, conversar com uma planta, escrever em seus dois diários (um falso e outro verdadeiro) e procurar claros sinais de que está ficando louca. Confusa, curiosa e levemente magoada, a menina procura alcançar uma vida diferente, uma vida mais normal e menos louca.

"Amor pode ser uma palavra-problema para algumas pessoas. Loucura também.Eu sei bem." p.11

Sarah é uma quase adolescente esperta, perspicaz e muito observadora, o que deixa a narrativa muito envolvente (sim, é em primeira pessoa). Sem nenhum tipo de vergonha ou ressentimento, ela nos conta sobre a sua mãe, suas memórias e seus pensamento. Além desses reflexões, Sarah nos deixa fazer parte da vida dela, relatando todas as transformações pelas quais está passando. Como toda jovem que entra na adolescência, Sarah sente falta de uma mãe que a explique sobre "as coisas de menina". É como se você estivesse lendo o diário de Sarah - o verdadeiro.

"Sentir duas coisas ao mesmo tempo deve ser um dos primeiros sinais de loucura." p.59

Uma das coisas que achei muito legal também é a constante citação do romance "O Sol é para Todos", que é muito estudado nos EUA por ter uma forte presença do preconceito nos anos 30. A autora Harper Lee passa belas mensagens sobre igualdade e respeito. (Se quiserem, posso resenhar esse livro também. Deixe nos comentários)

Claros Sinais de Loucura é um livro reflexivo, divertido e emocionante.Trata-se de uma obra sobre superação, crescimento, amadurecimento, mudanças e sentimentos. Tudo isso se torna completamente perceptível no decorrer na história. Achei excelente a forma como autora consegue fazer a transição entre a Sarah retraída, presente no início do livro, e a Sarah mais madura. É suave e calma. Sei que não há comparações, mas esse livro me lembrou muito "As Vantagens de ser Invisível". Acho que pelo modo como é escrito e pela sutileza apresentada. Enfim...

"É isso o que eu sou. Uma cripta de segredos. Eles se agitam dentro do meu peito como pássaros engaiolados que querem fugir, mas têm medo de voar." p.97

Livro recomendadíssimo!!


Beijos Literários!!

2 comentários:

Editora Andross recebe inscrições de contos medievais

10:37 Helena Dias 1 Comments

Olá, seus lindos!!

Gosta de escrever contos? Quer ter a oportunidade de publicar em um livro? Se a sua resposta foi positiva, talvez essa seja a sua hora.

A Andross Editora está recebendo contos de novos escritores para publicação no livro “Além das Cruzadas - Contos sobre a era medieval”, a ser lançado em maio de 2015 no evento Livros em Pauta

Qualquer pessoa pode participar. Basta acessar o site www.andross.com.br, ler o regulamento de participação e submeter seu texto à avaliação. As inscrições vão até 31 de dezembro de 2014.

SINOPSE DO LIVRO






Antigamente bardos difundiam a história de seu povo em poemas musicados em alaúdes. Por intermédio de suas obras, conhecemos hoje histórias de guerreiros de terras longínquas, amores proibidos entre nobreza e plebeus, a tristeza da Peste Negra e as dores da Santa Inquisição. Mas também conhecemos histórias mágicas, como a do jovem que se tornou rei por tirar uma espada da pedra, ou de criaturas encantadas que cospem fogo. Em "Além das Cruzadas", bardos modernos lançam novos olhares na Era das Trevas, mesclando a Idade Média real com a imaginária.


“O universo medieval sempre povoou a imaginação dos leitores, seja a Idade Média real ou a fantasiosa, como as histórias do Rei Artur ou da saga de O Senhor dos Anéis", diz Bruno Anselmi Matangrano, um dos organizadores do livro."Nossa ideia é reunir o máximo de contos possíveis dentro desse livro. As únicas exigências além de qualidade literária são que se passem na Idade Média e que não sejam textos de humor", completa Carol Chiovatto (foto à direita), co-organizadora do livro.                                                                                                                                                                                                                                                                                          
SERVIÇO



Livro: “Além das Cruzadas - Contos sobre a era medieval”
Organização: Bruno Anselmi Matangrano (foto à esquerda) e Carol Chiovatto
Envio do texto: até 31/12/2014
Lançamento: Maio de 2015 (no evento Livros Em Pauta)
Regulamento: no site www.andross.com.br
Realização: Andross Editora




Vai logo escrever seu conto! Eu já comecei o meu.
Beijos Literários!

1 comentários: