A Profecia de Samsara - Leticia Vilela

12:31 Helena Dias 4 Comments

Livro: A Profecia de Samsara
Autora: Leticia Vilela
Editora: Gutenberg
Páginas: 256
Ano: 2014
ISBN: 9788565383912


Sinopse: Quando um dos príncipes do Clã dos Devas é assassinado, a principal suspeita é a sua mestre, Draupadi. O irmão do príncipe, Arjuna, jura vingar sua morte e começa a perseguir a criminosa pelos reinos mágicos da Índia. Draupadi, então, inicia uma fuga ao lado de Asti, uma humana a quem chama de filha, que carrega um segredo: ela nasceu com uma maldição ancestral marcada por uma tatuagem, da qual tenta se libertar. Todos os acontecimentos fazem o destino de Arjuna e Asti se encontrarem, o que torna inevitável a concretização da Profecia de Samsara.

[Nota Pessoal]

O que dizer desse livro que mal conheci e já considero pacas?!

Era uma vez eu. Um belo dia encontrei A Profecia de Samsara pelo reino encantado da internet (não lembro exatamente onde), li a sinopse e achei muito interessante. Não perdi tempo e coloquei na lista de desejados do skoob. Então, o Marcos Massao, roteirista, diagramador e ilustrador do livro, entrou em contato comigo perguntando se eu não tinha interesse em receber uma cópia. Mas, é claro que eu disse que sim, né?! Ele foi um amor de pessoa, levou o livro para a autora e me mandou uma cópia autografada. Demorei um pouquinho para ler, mas finalmente (e, hoje, me pergunto porquê demorei tanto) li esse livro lindo. E, assim, eu vivi feliz para sempre.

Bom, a escrita de Letícia, misturada a um contexto encantador, me envolveu de tal maneira que eu não queria parar de ler. A autora nos faz viajar pelos encantos de uma Índia antiga e cheia de magia, com seres mágicos, mantras, incensos e cenários próprios, inspirados nas belíssimas paisagens da Índia.

"A luz mágica que emanava do Portal banhou a elemental, revigorando-a. Ela rugiu satisfeita. Alguns instantes foram suficientes para que se recuperasse. Com o ritual de absorção de magia cumprido, Draupadi fechou os olhos serenamente." p. 41

No começo, pode ser um pouco complicado assimilar todos as nomenclaturas e informações, mas com o decorrer da leitura fica tudo bem mais fácil; ainda mais que, no início do livro, tem um pequeno glossário e uma linha do tempo explicando tudo, o que ajudou bastante.

Os personagens são únicos. Como assim? Achei que autora soube projetar uma essência mágica em cada um dos personagens e mesclar isso com suas personalidades de uma forma sutil e cândida. Eu diria que até mesmo os vilões têm uma pureza exalada por suas auras. O enredo gira em torno de Arjuna, Draupadi e Asti. Arjuna, príncipe dos Pandavas, jurou se vingar de Draupadi pela morte de seu irmão. Contudo, ele protagoniza algumas cenas um tanto divertidas, pois sempre acaba causando alguma confusão. Por vezes, peguei-me pensando: P****, Arjuna! Asti, por sua vez, é uma Alaya (humana) complexa. Ela carrega a marca de uma maldição ancestral, da qual procura se libertar. Ela é um pouco ingênua em alguns momentos, mas uma menina meiga e atenciosa.

"Os olhos de Asti brilharam. Finalmente pareciam ir para algum lugar interessante. Draupadi sorriu, adivinhando os pensamentos da filha." p. 69

Eu raramente menciono diagramações de livros, exceto quando eu realmente gosto. E, em hipótese alguma, eu deixaria de falar da diagramação linda e poderosa desse livro. As primeiras páginas são compostas por mapa, linha do tempo e glossário ilustrados. Além disso, cada início de capítulo possuiu uma ilustração de acordo com o que será tratado naquela fase do livro.


Enfim, a narrativa é fluida e muito bem construída, sem pontas soltas. O foco narrativo, em terceira pessoa, tem um ritmo excelente. A leitura é leve, gostosa e divertida. Recomendo muito.

"- Sabe... - disse ele, por fim, interrompendo os pensamentos de Asti. - Também é a minha primeira vez aqui... Mas acho que superestimei o poder desse festival... A morte é o fim, e eu devia aceitar isso. Acho que existem certos mundo que não podem ser alcançados." p. 176 (Arjuna conversando com Asti)


Beijos Literários!


4 comentários:

[SORTEIO] Super Aniversário de blogs amigos - RESULTADO

10:22 Helena Dias 10 Comments


 E hoje sai o tão esperado resultado do sorteio de aniversário dos blogs Sacudindo as Palavras, Estante da Rob, Mais um livro na estante, Leitora Assídua e Vamos falar de livros?. Então bora conferir quem foi os 11 sortudos \o/


Parabéns aos ganhadores! Vocês tem 48 horas para responder o e-mail que foi enviado com seu nome e endereço completos para que o envio do prêmio seja feito.

Relembrando que:
* O prêmio chegará de forma separada, já que cada blog é responsável por enviar o livro e/ou mimo que cedeu para o sorteio.
** Não nos responsabilizamos por extravio dos correios e/ou endereços incompletos.
*** Os blogs tem até 45 dias úteis para enviar o livro e/ou mimo que cedeu

KIT 1

KIT 2

KIT 3

KIT 4

KIT 5

KIT 6

KIT 7

KIT 8

KIT 9

KIT 10

KIT 11

Então é isso! Parabéns aos ganhadores e, para quem não ganhou, não desanime. Muitos sorteios ainda virão e pode ser a sua vez de ganhar!!

Beijos Literários!

10 comentários:

Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira

12:20 Helena Dias 2 Comments

Livro: Carta de amor aos mortos
Autora: Ava Dellaira
Editora: Seguinte
Páginas: 344
Ano: 2014
ISBN: 9788565765411




Sinopse: Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Amy Winehouse, Janis Joplin, Heather Ledger... apesar de jamais entregá-las à professora.
O que parecia uma simples lição de casa logo se torna a maneira que Laurel encontra para lidar com seu primeiro ano na escola nova e com a família despedaçada após a morte de sua irmã.

[Nota Pessoal]

Assim que li a sinopse desse livro, me encantei por completo. Os artistas para quem Laurel escreve suas cartas são pessoas que eu também admirava (admiro até hoje, na verdade). Então, fiquei super ansiosa para ler. E foi na Black Friday que eu finalmente adquiri o meu exemplar.

No início do livro, a protagonista é uma personagem insegura, bem ingênua e até bastante infantil. Porém, a autora soube mostrar, de uma forma espetacular, como essa menina foi amadurecendo e se tornando uma garota forte e corajosa, até sair da sombra de sua falecida irmã, May, e nos conquistar por sua fragilidade. Tudo foi acontecendo de uma forma natural, depois que Laurel recebe como tarefa escolar escrever uma carta para alguém que já morreu.

Do começo ao fim, o livro é narrado em forma de cartas, o que é apenas mais um detalhe que torna esse livro lindo demais. Mas, Laurel não escreve para May, que morreu em circunstâncias misteriosas para o leitor até, pelo menos, metade do livro. Ela escreve sobre May.  Laurel escrever para ídolos que a inspiram, que morreram de formas variadas e que fizeram parte de sua infância com May. Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Amelia Earhart, Jim Morrison, Judy Garland são alguns dos presentes nessas lindas e emocionantes cartas. Através desse dever de casa, ela encontra uma forma de desabafar, uma forma de falar dos acontecimentos em sua vida, seus sentimentos, suas dores e etc. Além de tentar explorar e entender o que se passava na vida desses para quem ela escreve.

"Às vezes suas músicas dão a impressão de que existia muita coisa dentro de você. Talvez você nem tenha conseguido colocar tudo para fora. Talvez tenha sido por isso que morreu." p.11 (Primeira carta de Laurel para Kurt Cobain)
É ridiculamente bonito como a autora apresenta o relacionamento entre Laurel e May. É emocionante ver como elas se entendiam, se protegiam e, acima de tudo, se amavam. Elas tinham seu próprio mundo secreto, seu mundo mágico. As cartas sem endereço têm questionamentos sobre a vida da protagonista que se entrelaçam intimamente com o histórico dos artistas com quem ela se corresponde. Existe uma ligação. Ao mesmo tempo que conhecemos erros e acertos na vida desses ícones, também vivemos, com Laurel, seu presente e passado. A autora consegue fazer reflexões, interpretar sentimentos e situações e levantar temas um tanto polêmicos.

Os personagens da trama são outro aspecto positivo desse livro. São muito bem construídos, são fortes, complexos e reais. Os novos amigos de Laurel não sabem o que aconteceu com sua irmã, não a conhecem muito bem. Aliás, acho que todos ali vão se conhecendo com o decorrer da história. Posso afirmar que Natalie e Hannah protagonizam cenas tão emotivas e tensas quanto as de Laurel; quase as considerei protagonistas também. Elas são amigas que se amam. A descoberta sexual das duas é linda e tocante. Mais que sexual, elas descobrem quem realmente são quando estão juntas.

"As histórias mudam conforme crescemos. Às vezes elas não fazem mais sentido. Eu queria escrever uma nova história, em que Hannah só fica com Natalie, May volta para casa e eu nunca tento ser como ela, mas fiz tudo errado." p. 223

Outro ponto que é bastante tocante e revoltante ao mesmo tempo é a família de Laurel, que está em pedaços. Não só emocionalmente, mas geograficamente também. O pai, apesar de carinhoso, não parece ter muito jeito para conversar com a filha, mantendo certa distância. A mãe, por sua vez, resolveu sair de casa, afirmando que precisava de espaço; de um tempo. (WTF?)
Dessa forma, Laurel tem que se dividir entre a casa da tia e a do pai, guardando consigo a culpa e a dor pela morte da irmã. Não há distância que diminua a dor de se sentir abandonado.

De forma gritante, o livro nos ensina que não existe perfeição. Até a mais talentosa das estrelas pode desabar a qualquer momento. Muitas delas desabaram, deixaram de brilhar aqui e foram iluminar outros céus. Perderam a força? Ou foram fortes demais? De quanta força precisamos para suportar os fatos da vida? Persistir, sem pensar em desistir. Cartas de amor aos mortos é um livro que eu recomendo sem pestanejar. É um livro que, de certa maneira, te ajuda a viver.

"Senti que algo entre nós mudou de posição, como as placas tectônicas na Terra. Você acha que conhece alguém, mas essa pessoa sempre muda, e você também está em transformação. De repente entendi que estar vivo é isso. Nossas próprias placas invisíveis se movem em nosso corpo, e se alinham à pessoa que vamos nos tornar." p. 307/308
 

Beijos Literários!

2 comentários:

Mais 10 curiosidades literárias que talvez você não saiba

13:06 Helena Dias 7 Comments

Já é fato comprovado que nós amamos ler. Somos constantemente atraídos pelo "literário". Embarcamos em livros diferentes e conhecemos mundos novos através deles. Nós nos permitimos ser o que quisermos e viver como queremos através da magia da literatura. Claro, sempre existe o nosso preferido. Pode ser que ele esteja entre os mencionados nesta postagem ou pode ser que não esteja. Quem sabe?! O importante mesmo é saber que ele ainda vive. Em você e em muitos outros amantes da leitura.

Por isso, eu decidi que as 10 curiosidades literárias que talvez você não saiba merecia uma continuação. E aqui estamos. Seja qual for a sua motivação, espero que aproveite esses novos itens tanto quanto aproveitou os outros. E se você ainda não leu a postagem que deu origem a essa, basta clicar no título em laranja e se deliciar.

Divirtam-se!! =D



1. "O sol é para todos" é o único romance de Harper Lee, mesmo ele tendo ganhado um prêmio Pulitzer. 

O livro permaneceu 88 semanas nas listas de best seller. Mesmo assim, a escritora decidiu não escrever mais nada.

2. A primeira edição de "A Fantástica Fábrica de Chocolates" foi publicada em 1964 e era bastante racista.


Um exemplo: os Oompa-Loompas eram descritos como negros e pigmeus, vindos “da mais profunda e escura parte da África, onde nenhum homem branco jamais esteve antes.” Além disso, Charlie é originalmente descrito pelo escritor como “um pequeno menino preto.” (tradução de "a small negro boy". O termo "negro", na língua inglesa, é considerado pejorativo)

3. O livro "Ardil 22" demorou oito anos para ser concluído.

A escrita começou em 1953, quando Joseph Heller pensou nas primeiras linhas. Levou uma semana para enviar o primeiro capítulo para seu agente. Depois de terminar o terceiro, o agente já havia começado a solicitar editoras e a “Simon and Schuster” resolveu publicar. Então, demorou "apenas" oito anos para Heller o entregar.

4. Devido à repercussão de seu único romance, "O apanhador no campo de centeio", J.D. Salinger se escondeu.

Em 1951, dois anos depois de o livro ser publicado, Salinger se isolou na cidade de Cornish, New Hampshire. Depois de ter dado uma entrevista para um jornal local, ele se tornou uma grande sensação da cidade, o que lhe causou tanta raiva que raramente falou em público depois disso.

5. Ernest Hemingway detestou a capa original de "O grande Gatsby".


Mesmo sendo considerada uma capa icônica, quando Fitzgerald emprestou uma cópia do livro para Hemingway, ele detestou imediatamente. O autor, porém, o assegurou que se começasse a ler o livro, a entenderia mais claramente.

6. O manuscrito de "Paris é uma festa" estava “perdido” no porão do Ritz Hotel, em Paris.

Em 1928, Ernest Hemingway guardou dois baús, que continham cadernos com relatos dos anos vividos em Paris. Então, em 1956, Hemingway recuperou os baús e os compilou na forma de suas memórias. O produto final só foi publicado três anos depois de sua morte.

7. "O senhor das moscas" já serviu de inspiração para diversas plataformas.

A última faixa do primeiro álbum da banda U2 leva o nome de um dos capítulos do livro. Shadows and Tall Trees. O livro já foi adaptado, também, duas vezes para o cinema e é muito utilizado em escolas norte-americanas.

8. "Orgulho e Preconceito" ia se chamar "Primeiras Impressões".


Quando o romance foi inicialmente rejeitado pelos editores, Jane Austen fez significantes modificações, entre elas a troca do título. As revisões foram feitas entre os anos de 1811 e 1812.

9. O monstro em "Frankenstein" não tem nome.

Eu sei que essa pode ser a mais velha de todas, mas tá valendo ainda assim. Na verdade, Frankenstein é o nome do cientista que cria o monstro. Durante a leitura do livro, há apenas uma cena em que Shelley, a escritora, se refere a ele como Adam.

10. O livro "Onde vivem os monstros" iria se chamar “Onde vivem os cavalos”. (Mazoi?! O.o)


O motivo do título ter sido trocado é que Maurice Sendak não conseguia desenhar cavalos. Então, quando o editor perguntou o que ele conseguia desenhar, ele disse: “monstros”. E, monstros é o que há no livro. 


É isso! Espero que tenham gostado!!
Beijos Literários.

7 comentários:

As Faces da Luz - Tatiane Durães

14:11 Helena Dias 11 Comments

Livro: As Faces da Luz
Autora: Tatiane Durães
Páginas: 452





Sinopse: Ao ser forçada a atravessar um portal por um imenso lobo, Tayara se depara com um mundo que jamais imaginara, e elfos e bruxas passam a fazer parte de sua realidade. Mas o que ela não sabe é que seu destino fora traçado muito antes de seu nascimento. Agora ela terá que escolher entre a razão e o coração, pois ao se apaixonar por um elfo, descobre que uma forte maldição a prende a ele. Uma aventura repleta de magia e descobertas, se inicia

 [Nota Pessoal]
Confesso que quando comecei a ler esse livro, eu estava um pouco apreensiva. Tive medo de não gostar porque... porque sim. Porque sou uma pessoa chata mesmo. Mas, para a minha surpresa, eu achei a história muito boa.

Bom, o que dizer dessa belíssima capa?! É de uma delicadeza e beleza realmente digna de elfos. Na parte interior do livro, contamos com uma diagramação muito bonita e tão delicada quanto a capa. Realmente, no quesito estética, o livro está de parabéns!!



Mas, vamos ao que interessa.

A escrita da autora é simples e informal, mas muito clara. Isso, para mim, tornou a leitura bem mais rápida. O livro tem um pouco mais de 400 páginas, e eu o li em dois dias e meio. A informalidade demais, em alguns casos, me incomoda um pouco. Entretanto, isso não aconteceu nesse livro. Não me senti desconfortável e consegui finalizar a leitura sem maiores problemas com isso. Com uma pegada para a aventura, a história é narrada em primeira pessoa e, a maioria dos capítulos são pela "voz" da protagonista.

Todo o enredo desenvolvido por Tatiane é muito bem construído, passando a impressão de que tudo foi cuidadosamente pensado antes de se tornar um livro. O mundo, Arcantatys, é o típico mundo das criaturas mágicas, porém possui um toque suave de originalidade, deixando transparecer, de forma sutil, a personalidade da autora. Os personagens têm suas personalidades muito bem construídas e cada um deles possui seu momento de destaque, o que eu achei bem legal.

"Sabe, uma vez eu ouvi dizer que não é um sorriso que muda o seu dia, mas quem sorri. Eu tinha que concordar plenamente." p. 148



Em contrapartida, algumas coisas me incomodaram um pouco.

Primeiro: o livro (a edição que eu tenho) contém um grande quantidade de erros de revisão e isso me incomodou bastante.
Segundo: achei as cenas de lutas e confrontos um tanto quanto comuns, digamos assim. Não sei
explicar ao certo. Eu não consegui sentir empolgação nelas. Além disso, tudo parece se resolver muito fácil para Tayara, e ela sempre recorre a magia antes de tentar qualquer coisa.
Terceiro: quase todos os personagens do gênero masculino que aparecem na trama se apaixonam pela protagonista. Isso é muito cliché e, na minha opinião, chato demais. Chega a ficar cansativo sempre que um novo personagem aparece.

Tirando esses fatos, a história é boa de verdade. Inclusive, tem aquele mistério, como algum deles estivessem escondendo algo. Tenho esse sentimento com dois personagens em particular, Edwin e Ariosto. (estamos de olho)

É um livro que eu recomendo sim, principalmente se você gosta de fantasia, com bruxas, elfos, lobisomens e muito mais.

"Você é uma bruxa, tenha orgulho. Deixe sua magia fluir, tomar conta de você, preenchê-la, você fica tentando dominá-la, como se tivesse medo. Aquilo que está dentro de você faz parte de quem você é." p. 239


Ah, esse é o primeiro livro da Trilogia Arcantatys. Espero que, em breve, vocês visitem o mundo de Arcantatys!
Beijos Literários.

11 comentários:

Editora Andross prorroga o período de inscrições em suas antologias.

13:05 Helena Dias 0 Comments

Aqueles que desejam se tornar escritores publicados têm agora um novo incentivo para tirar seus escritos das gavetas. A Andross Editora prorrogou o recebimento de textos para avaliação e possível publicação em suas antologias literárias. Qualquer pessoa pode participar. Basta acessar o site, ler o regulamento de participação e submeter seu texto à avaliação. Agora, as inscrições vão até 28 de fevereiro de 2015. O lançamento dos livros será no evento Livros em Pauta, em maio de 2015.

Eis as antologias em andamento:

ALÉM DAS CRUZADAS - Contos sobre a era medieval


SINOPSE: Antigamente bardos difundiam a história de seu povo em poemas musicados em alaúdes. Por intermédio de suas obras, conhecemos hoje histórias de guerreiros de terras longínquas, amores proibidos entre nobreza e plebeus, a tristeza da Peste Negra e as dores da Santa Inquisição. Mas também conhecemos histórias mágicas, como a do jovem que se tornou rei por tirar uma espada da pedra, ou de criaturas encantadas que cospem fogo. Em "Além das Cruzadas", bardos modernos lançam novos olhares na Era das Trevas, mesclando a Idade Média real com a imaginária.

ORGANIZADORES: Carol Chiovatto & Bruno Anselmi Matangrano


SEDE - Contos distópicos sobre um futuro sem água


SINOPSE: 2013: o clima seco além do normal não chamou atenção do governo. 2014: com menos de 3% de capacidade do reservatório de água da capital paulista, o governo declarou que está tudo sob controle. 2017: a água quase desapareceu das regiões sudeste e nordeste do país, com uma parcela pequena de pessoas com acesso a ela. 2049: a população brasileira caiu vertiginosamente para 8%. O ano atual é 2065. A falta de um recurso tão essencial nivelou pobres e ricos em uma única categoria: sobreviventes. A conhecida frase da ficção “em um futuro não muito distante” nunca foi tão aterrorizante. 

ORGANIZADORA: Paola Giometti


DE REPENTE, NÓS - Contos de amor




SINOPSE: Há quem espere a vida inteira pelo seu amor, e desiste de esperar. Há também aqueles que são convictos em viver casados consigo mesmos. Em ambos os casos, o destino (ou o acaso) faz uma reviravolta e, de repente, o eu vira nós, sem mais nem menos. Pode ser para sempre ou eterno enquanto dure. Mas enquanto os dois estão amarrados um no outro é difícil desatar esse nó que só o amor pode proporcionar.

ORGANIZADOR: Leandro Schulai



AS QUATRO ESTAÇÕES - Antologia de poemas


SINOPSE: Há aqueles que sentem solidão no inverno, enquanto outros aproveitam a companhia e um bom conhaque. Também existem os que se deixam cortar para renascerem com as flores da primavera. Não são poucos os que esperam o ano todo pela alegria do verão. E o outono, junto com os frutos e Folhas secas, traz ainda momentos de reflexão. As quatro estações provocam sentimentos, suscitam palavras, afloram desejos... Os poemas deste livro são frutos de reflexões de poetas, que não apenas grafaram alegrias da vida, mas também a tristeza da solidão que só quem ama sozinho é capaz de sentir. 

ORGANIZADOR: Edson Rossatto


VIAGENS DE PAPEL - Contos e crônicas de temática livre



SINOPSE: Quem lê desfruta de experiências reservadas somente àqueles que escolhem viver intensamente. Quem lê viaja. E vai longe... Descobre terras desconhecidas, muitas vezes, inimaginadas. Os autores do livro VIAGENS DE PAPEL desempenham brilhantemente sua função de agente de viagens e propõem pacotes diversos, capazes de agradar ao turista mais exigente. E lembre-se: o que importa não é o destino e sim a própria viagem. 


ORGANIZADOR: Roberto de Sousa Causo


IMAGINARIUM - Contos fantásticos


SINOPSE: Existe uma zona no mais profundo abismo da mente humana, onde o real e o onírico coexistem, e o piscar de olhos confunde a compreensão. Esse lugar é chamado de IMAGINARIUM, e nele passam a maior parte do tempo aqueles que desconstroem a realidade para criar mundos completamente avessos ao conhecido. As histórias deste livro foram escritas não por aqueles que apenas visitam esse lugar, mas sim por aqueles que moram lá.



ORGANIZADOR: Alex Mir


LEGADO DE SANGUE - Contos sobrenaturais, de suspense e de terror


SINOPSE: Poe, Lovecraft, Shelley, Stoker e outras lendas da literatura de horror não produziram só histórias para assustar. Esses mestres criaram formas de prender o leitor em pesadelos escritos, habitados pelos monstros mais horrendos que uma mente pode conceber. Inspirados nessa herança literária, os autores de “Legado de Sangue” se propuseram a continuar a tradição e criaram contos que surpreendem e assustam tanto quanto um ser que espreita na escuridão, esperando por sua vítima.


ORGANIZADOR: Alfer Medeiros

Para conhecer mais o trabalho da Editora, vocês podem assistir à entrevista do diretor editorial da Andross, o escritor Edson Rossatto: 


0 comentários:

Íntimo e Pessoal - Rô Mierling

11:03 Helena Dias 4 Comments

Livro: Íntimo e Pessoal
Autora: Rô Mierling




Sinopse: Os sentimentos mais profundos do coração de uma mulher são colocados nas páginas desse livro que expressa emoções, sentimentos, dúvidas, amores e desejos. A alma traz segredos que a sociedade, muitas vezes, desconhece. Desejos obscuros de amor e morte. Mas quando a paz e o amor inundam a vida de uma pessoa, tudo muda, as cores chegam e um novo amanhecer se descortina. Mas cuidado! O lado escuro da natureza humana pode dominar você, e como uma lagarta que vira borboleta, o bem pode virar o mal e o mal pode estar em qualquer um de nós!



[Minha Opinião]
Assim que terminei a leitura desse livro, ainda fiquei pensando um pouco nas palavras em suas páginas. Dividido entre poesias e contos/crônicas, são tantos sentimentos reunidos com tanta intensidade que é praticamente obrigatório parar e pensar em tudo que você acabou de ler.

Rô Mierling tem a escrita simples, mas com certa classe. Nesse livro em particular, ela escreve de maneira sensível e delicada, deixando exalar todos os sentimentos que podem estar escondidos no fundo do coração de qualquer pessoa.

Pode ser que eu tenha me equivocado, mas, além do turbilhão de sensações que esse livro pode causar, eu também senti que a autora encontrou nesses textos uma maneira de criticar a forma como as pessoas camuflam o que sentem e como deixam sentimentos obscuros tomarem conta do seu dia-a-dia. E, para mim, perceber essa crítica sutil foi o melhor desse livro.

Entre esse emaranhado de sentimentos, eu tive três favoritos. São eles:

Loucura
"É triste, é morto, é seco.
Todo dia quando seus olhos se abrem,
Não vê cores, não vê vida,
Vê vultos, vê morte, vê preto..."

Sufocada
"...Falando somos alvos
De críticas e de desprezar.
Mas se calados ficamos,
Mortos nossos sonhos hão de ficar..."

Humana
"Já ia ao longe o tempo em que ela tentava entender o que realmente aconteceu com o seu mundo, hoje não mais, hoje ela é uma guerreira, uma sobrevivente."

Apesar de parecer um livro extremamente comum, ele carrega em suas páginas a força de palavras sinceras e cheias de emoção. Por várias vezes me perguntei se o que eu estava lendo era fruto de acontecimentos vividos pela própria autora, e acho que a resposta é sim. Cada pedacinho desse livro parece fazer parte da realidade. E, como diz seu título, é realmente muito íntimo e pessoal.

"Ninguém pode dizer o que se passa no fundo e profundo coração humano. O que se vê, se ouve e até mesmo o que se sente vindo das pessoas, na grande maioria das vezes não reflete o que ela realmente é."A Borboleta e o Camaleão -  p. 14


Espero que tenham gostado!!! 
Beijos Literários!

4 comentários: