[LITERATURA EM MOVIMENTO] Por quanto tempo irei te amar?

14:19 Helena Dias 24 Comments

Olá, seus lindos!!

Como já sabem, faço parte da organização do projeto Literatura em Movimento. Bom, esse é o segundo mês e estou muito contente com a quantidade de pessoas participando, assim como com o empenho de todas elas em seus textos cheios de criatividade. Caso não saiba do que estou falando, clique aqui e entenda do que se trata.

Enfim, como estamos no mês dos namorados, nada mais justo do que falarmos de amor, certo? Certo! Devo confessar que romance não é muito a minha vibe, por isso quase fixei residência em frente ao PC esperando a ideia romântica aparecer. Até comecei a ouvir músicas que falavam de amor (algumas bem dor de cotovelo mesmo) na esperança de conseguir algo. NA-DA!
Mas acredito que diante da pressão do último dia, meu Shakespeare interno resolveu sair das cavernas. Isso mesmo, comecei e terminei esse texto aos 45 do segundo tempo, sem prorrogação! Parece que o jogo virou, não é mesmo??

Veja o tema do mês aqui: Junho

Sem mais delongas, vamos ao que interessa!!
 

POR QUANTO TEMPO IREI TE AMAR?
(Enquanto as estrelas estiverem acima de você)

Era uma manhã de inverno. Os raios de sol estavam escondidos, mas ainda assim o dia parecia lindo, pelo menos para mim. Talvez fosse minha intuição tentado me avisar que seria um dia especial. De qualquer forma, era um dia bonito.

Sempre fui uma enorme fã do inverno e suas cores. Alguns diriam que são cores tristes. Pois eu digo que são cores de quem sabe apreciar a beleza em preto e branco. Com isso em mente, decidi sair para caminhar, quem sabe parar em algum lugar para ler um pouco.

Coloquei um casaco e optei por não pegar o elevador. O prédio onde morava só tinha três andares, e eu morava no segundo. Era uma daquelas construções antigas que foi restaurada mantendo a fachada original. Ahh, como eu adoro esses prédios antigos. Acho incrivelmente lindos. Aliás, tenho um leve fascínio por coisas vintages, antigas.

Enfim, caminhei pela calçada por um tempo, observando os pequenos detalhes ao redor, aquelas coisas que ninguém parece perceber. O vento gelado batia no meu rosto e, junto com ele, senti o aroma de café fresco. Como de forma automática, entrei naquela cafeteria e sentei em uma mesa próximo à vitrine que separava aquele ambiente acolhedor e aquecido do vento frio que soprava do lado de fora. Estava começando a chover, e eu gostava de observar a dança que as pequenas gotas de água fazem ao descer pelo vidro.

Tirei meu livro de dentro da bolsa, "O Grande Gatsby", e abri na página que havia parado ontem a noite, antes de cair no sono. Minha leitura foi interrompida por um simpático rapaz e sua doce voz:

- Gostaria de beber alguma coisa, senhorita? - ele segurava um bloquinho e uma caneta.
- Um cappuccino, por favor.

Ele apenas assentiu e se retirou. Eu já me preparava para retomar a minha leitura, quando meus olhos encontraram os seus pela primeira vez. Senti um misto de doçura e encanto. Em sua mão, "O Grande Gasby" parecia ainda mais interessante.Voltei meus olhos rapidamente para meu livro, e aqueles segundos que pareceram horas, foram os mais intensos que já vivenciei. Por mais que tentasse me concentrar, não conseguia evitar a vontade de procurar aqueles olhos novamente. "Eu estava dentro e fora, simultaneamente encantado e repelido pela variedade inesgotável da vida.", me dizia Fitzgerald. Nunca uma frase me pareceu tão real quanto essa, naquele momento.

Comecei a me sentir um tanto desconfortável. Pensei em me levantar, ao mesmo tempo em que ela sentava a minha frente.

- Oi, meu nome é Emi. - ela sorriu para mim - Percebi que estamos lendo o mesmo livro. - Mal sabia ela que eu já a conhecia, que eu acompanhei cada palavra escrita sobre a sua vida, que eu sabia de todas as suas decepções e conquistas. Eu já a amava em segredo, achando que esse dia nunca chegaria.

Sorri de volta. Era impossível não ceder aquele sorriso. Conversamos por horas e horas. Ela me contou sobre o maravilhoso mundo dos filmes e sobre seu trabalho como cenógrafa. Descobrimos diversos interesses em comum: música, teatro, filmes, café, livros... A chuva tinha passado, e eu jurava que havia alguns tímidos raios de sol. Convidei-a para caminhar no parque comigo e continuar a conversa.

A grama estava mais verde que o normal para a estação e passarinhos cantavam nos galhos das árvores. Ou eu estava vendo tudo mais bonito, talvez. Os olhos de Emi brilhavam e seus cabelos dançavam ao sabor do vento. Eu estava mais hipnotizada que o normal.

Em meio a risadas e diálogos que iam de Chaplin a Woody Allen, ela me disse que reparou em mim assim que entrei na cafeteria e que tomou o livro como um sinal para se aproximar. Meu coração acelerou!

Confesso que nunca fui muito boa com romantismo, mas quando a vi pela primeira vez, soube exatamente que palavras usar. Palavras que não precisam ser ditas, ouvidas ou escritas; palavras que o coração diz quando meus olhos encaram os dela. E, naquele momento, eu tive certeza que ela era feita para mim e eu não poderia desperdiçar essa oportunidade única.

Tudo poderia ser muito melhor planejado e organizado, mas pela primeira vez eu estava sendo espontânea. Pela primeira vez, eu acreditei que o simples poderia ser realmente grandioso. Olhei para o gramado sob meus pés e peguei uma flor que crescia dele. Entreguei a ela, olhei em seus olhos e fiz o que eu sei fazer de melhor. Eu cantei.
Não sabia o que esperar depois disso. Surpreendentemente, Emi segurou meu rosto com as duas mãos, e eu senti seus lábios encostarem nos meus, junto com o gosto salgado de suas lágrimas. E, então, ela se afastou, me olhou nos olhos e disse sorrindo:

- "Quantidade alguma de ardor ou de entusiasmo pode competir com aquilo que um homem pode armazenar em seu fantasmagórico coração."

Para quem não conhece, a Emi é protagonista do livro Everything Leads to You. Acho que ele ainda não foi publicado em português, mas espero que seja porque é um livro lindo demais.

Uma cenógrafa prodígio, Emi já começou a encontrar seu caminho no mundo competitivo de cinema de Hollywood. 
Emi é fã de cinema e uma verdadeira romântica, mas seus relacionamentos da vida real são uma bagunça. Ela desesperadamente, termina e volta com a mesma garota vezes demais para mencionar. Mas, então, uma carta misteriosa de uma lenda das telonas leva Emi até Ava. Ava é diferente de qualquer pessoa que Emi já conheceu. Ela tem um passado tumultuado, não tão glamouroso, e vive uma vida não convencional. Ela é enigmática.... Ela é linda. E ela está prestes a expandir o entendimento de Emi sobre família, aceitação e amor verdadeiro.

Para ler os textos dos outros blog participantes, basta clicar nos nomes abaixo. (Sujeito a modificações)

É isso aí, gente!! Diz nos comentários o que acharam do meu texto!!
Beijos Literários!!
P.S.: Sim, sou eu cantando (Vergonha me define). Não está como eu gostaria porque gravei de última hora. O nome da música é How Long Will I Love You, da Ellie Goulding, que deu origem ao título do texto. Como eu disse, não sou muito romântica, por isso decidi manter na simplicidade. Haha... Enfim, é isso aí!

24 comentários:

  1. Você foi muito corajosa de cantar e essa música é muito linda *-*
    Gostei muito do enredo e você escreve muito bem.
    Parabéns pelo texto!

    http://blogquerida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não sei o que escrever, estou sem palavras, não apenas pelo texto lindo, mas também pela música, sério que é você? Deus que voz linda é essa?!
    Sua coragem para a elaboração do texto também é louvável, pois construiu não apenas uma narrativa gostosa de se ler, mas também extrapolou os limites do convencional, foi algo glorioso. E depois de tudo isso é claro que me coloco na torcida pela publicação deste livro aqui no Brasil, mesmo amando o som do inglês não sou muito bom lendo-o.
    Parabéns.

    Julielton Souza - Dialética Proposital

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, Julielton!! Muito obrigada. Eu que não sei o que dizer pelas suas palavras!! Rs
      E, sim, sou eu cantando!! Rsrs

      Beijos!!

      Excluir
  3. scrr vc cantando auhsuhasua gostei :) gostei tb do seu texto, amei o contexto e como foi pensado, alem de que vc encaixou mt bem a historia
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi Larissa! Caramba, que texto! Primeiro quero parabenizá-la pela criatividade, simplicidade e pela leveza de seu texto. E que lindo! Se declarar cantando me parece a forma mais difícil de se declarar. Entendo a emoção da personagem, deve ser inesquecível ter alguém cantando pra você... Seu texto ficou lindo! E sua coragem para cantar, além da sua voz linda me deixaram de boca aberta! Parabéns!! Mil beijos :*
    entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Helena, nem sei o que dizer depois de ler esse texto primoroso e ouvir essa bela canção...parabéns!

    Fiquei emocionada aqui e confesso que reli o texto novamente com a trilha sonora ;)

    Beijokas da Quel
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha... Ai, que bom que gostou!! Fico feliz!!

      Beijos.

      Excluir
  6. Isso que é declaração de amor! A canção tem um caminho certeiro para o coração!
    Parabéns pelo post e pela voz.
    Beijos.

    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir
  7. Uau, que texto lindo, to sem palavras, você cantando é muito bom de ouvir... uma linda declaração de amor.. beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Helena,
    Seu texto ficou de um primor inigualável! Lê-lo, após as notícias bombásticas dessa última semana, só fez com que tudo ficasse ainda melhor!
    Pena que não posso te ouvir cantar (sou surda), porém fui catar a letra e amei!
    Parabéns pelo texto!
    Até + ver! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curtiu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que você é deficiente auditivo, e peço mil desculpas por isso. Mas, também sei que deve sentir muito mais que qualquer outra pessoa!!!

      Legal você mencionar isso porque eu disse a um amigo que se soubesse da legalização, teria colocado meu texto em homenagem a isso! Haha...

      Beijos e obrigada pela visita!!

      Excluir
  9. Lena, sua voz, agora que vi essa canção! Adorei cada palavra, cada detalhe, os mínimos! Viva o amor! :)

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Luan!! Fico muito feliz com o retorno de vocês!

      Beijos.

      Excluir
  10. Lena!!!! Para quem não é tão romântica assim você arrancou lágrimas aqui da chorona, que adora encontros do destino assim! Principalmente quando ouvi sua voz!! Além de você escrever sempre bem, criou uma situação mágica, sem ser melosa, e romântica o suficiente para eu chorar kkkk As frases durante o texto, deu o toque especial para seu texto. Parabéns!! Se saiu muito bem numa situação romântica rs. Beijoka.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aii, Sa!! Muito obrigada!! Fico feliz que tenha gostado!!

      Beijos e obrigada pela visita!!

      Excluir
  11. Ai meu deusssssssss, que lindeza!
    Realmente, pra quem não se acha romântica, montou e escreveu um enredo muito bonito e sem toooda aquela melação habitual.
    Eu, além de não ter tido tempo de escrever, tive um bloqueio mental e mal consegui escolher o personagem :( mas tudo bem! Pelo menos pude me deliciar com os ótimos textos que os participantes postaram.
    Não conhecia esse livro, mas ele parece bom. E eu já tinha vontade de ler O grande Gatsby, agora essa vontade só aumentou.

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, flor!! Ai, fico toda boba de saber que estão gostando!! =D

      Beijos!!

      Excluir
  12. Oi! Já tinha lido, mas me dei conta que esqueci de comentar da outra vez!! Adorei teu texto! Ficou lindo, fofo e muito bem escrito! Parabéns mesmo!! Não a conheço, mas a Emi parece ser apaixonante mesmo!

    Bjs da Cami!
    http://mynerdbubble.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Camila!! Eu fiz resenha desse livro lá no canal, se te interessar!!

      Obrigada pela visita!! Beijos! =D

      Excluir