Tá Todo Mundo Mal - Jout Jout

12:08 Helena Dias 2 Comments

Livro: Tá Todo Mundo Mal
Autora: Jout Jout
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2016
Páginas: 200
ISBN: 9788535927207


Sinopse: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em tá todo mundo mal, ela reuniu as suas "melhores" angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, "Jout Jout, Prazer".Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!

[Nota Pessoal]

Julia Tolezano da Veiga Faria, a Jout Jout, criou seu canal no YouTube em 2014 com o objetivo de falar sobre coisas que aconteciam/acontecem com ela. Aos poucos a jovem conquistou pessoas pelo Brasil inteiro, que se identificavam com suas crises. Após a repercussão de seu vídeo "Não tira o batom vermelho" (que fala sobre relacionamento abusivo), o número de seguidores da youtuber cresceu muito mais rápido. E, atualmente, ela possui mais de 800 mil inscritos e mais de 90 milhões de visualizações. Tá Todo Mundo Mal é seu primeiro livro, um compilado de textos sobre família, relacionamentos, inseguranças e etc. Crises que (quase) todos os jovens já passaram ou passam ainda.

"Já tive crises de todos os tipos, tamanhos, intensidades, direcionadas a todo tipo de gente e de objeto; já tive crises em cidades diferentes e países diferentes. Crises silenciosas e exageradas. A maioria sem necessidade. E já sei quando uma está chegando. Posso sentir a vibração no ar. É poético."

Eu acredito que Jout Jout não tinha um público-alvo formado quando iniciou seus vídeos no YouTube. Acho que ela só queria mesmo falar livremente sobre tudo o que quisesse, qualquer coisa que viesse em sua mente. Seu jeito espontâneo e descontraído de falar sobre assuntos que podem ser bem embaraçosos para muitos conquistou pessoas de todos os cantos e garantiu seu nome entre os maiores youtubers do Brasil. Porém, o público do livro não parece ser tão diversificado e amplo quanto o do canal. Não que as coisas tenham mudado entre uma meio e outro. A Jout Jout dos vídeos é a mesma Jout Jout do livro. A maior característica da escrita desse livro é a coloquialidade que há nas palavras de Julia, por isso é como se pudéssemos ouvir a voz da autora narrando cada crônica. Esse tipo de linguagem, a meu ver, funciona muito bem nos vídeos, mas no livro traz uma sensação de que temos pouquíssima idade, o que tira a característica de uma obra para jovens adultos e reforma algo feito para o público juvenil. Tirando a linguagem, outros aspectos também colaboram para essa impressão, como os capítulos muito curtos. Não que isso seja um problema, até gosto de capítulos curtos. Mas a grande questão nesse caso, é a fonte enorme usada no início dos capítulos, fazendo com que um parágrafo pequeno ocupe quase uma página inteira. Fiquei com sensação de que isso foi feito para aumentar o número de páginas e só.

A autora e a vlogger são tão as mesmas que algumas histórias já narradas em vídeo aparecem em seus textos e, se você a acompanha (como eu) vai reconhecer facilmente. Tal fato mostra que Julia faz no livro o mesmo que faz nos vídeos: relatar suas próprias histórias. E, apesar do jeito todo especial que ela tem de contar seus causos e da leitura rápida e simples, devemos reconhecer que é um meio bem limitado. Muitos dos textos relatados na obra funcionariam mil vezes melhor em vídeo. Outros achei que nem em vídeo seriam bons; não dizem coisa alguma, parecendo apenas encheção de linguiça.

"Eu achava que me esforçar de alguma forma para ficar mais bonita era ruim. Era uma fraqueza. Algo risível. Por ter ficado muito tempo sendo a feinha do grupo, era como se fosse fútil da minha parte - e inútil - querer sair desse lugar; eu me apeguei a ele, assumi que era melhor ser esquisita do que lutar muito para ser bonita e acabar parecendo uma coitada."

Tá Todo Mundo Mal é um livro para aquele adolescente que quer passar horas e horas conversando com a maravilhosa pessoa que é Julia, que quer ter mais do que minutos assistidos diversas vezes no seu canal YouTube. Como a própria Jout Jout relata no seu livro, ela é uma boa amiga. E se tem algo bem claro aqui é que a vlogger é gente como a gente, e enfrenta seus dramas fazendo deles algo engraçado.

Ainda admiro muito a pessoa que Jout Jout é, admiro seu trabalho como youtuber e não pretendo parar de assistir seus vídeos, afinal ainda gosto bastante deles. Mas, para mim, ela não funcionou como escritora porque foi vlogueira até nessa hora. Em seus vídeos é evidente a personalidade forte que ela tem, seu carisma e seus posicionamentos sólidos. Já no livro, os temas ficaram muito repetitivos e dá uma sensação incômoda de algo vazio e infantil. As duas mídias são bem diferentes, e acho importante serem tratadas cada uma com suas particularidades.

É um livro bem divertido até, porém ainda acredito que assistir aos vídeos seja uma melhor opção. Pelo menos para mim.


Beijos Literários!

2 comentários:

  1. Gostei bastante da sua resenha, principalmente do seu ponto de vista, apesar de preferir a coloquialidade que a norma culta em alguns livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que ter a coloquialidade seja ruim. O que eu acho é que algumas coisas devem ser ponderadas pra ver se dá certo. No caso do livro, não deu. Ficou infantil demais. Mas, isso é apenas a minha opinião. Rsrs

      Excluir