6 Livros sobre o universo transgênero

14:55 Helena Dias 2 Comments

Olá, seus lindos!!!

Hoje, 29 de Janeiro, comemoramos o dia da visibilidade trans. Um dia que marca a luta por direitos e respeito à identidade de gênero, além da constante batalha por uma vida sem preconceitos. 

Então, eu decidi fazer uma lista de livros que falam do assunto. Protagonistas ou não, os transgêneros são parte muito importante nessas histórias e colocam em pauta diversas questões que falam sobre autoconhecimento, a busca pela autoaceitação, amor e como é fundamental o apoio de parentes (principalmente pais e irmãos) e amigos (e como essas mesmas pessoas podem ser destrutivas quando não aceitam a situação).

Os livros que escolhi abordam a identidade de gênero em momentos e épocas diferentes da vida, assim como a maneira com a qual a nossa sociedade (ainda) trata as diferenças com hostilidade e preconceito. Cada uma dessas obras traz seu olhar sobre o tema e ajuda a entender um pouco sobre o universo trans.

Divirtam-se!



EM UMA SÓ PESSOA - JOHN IRVING

Em uma só pessoa é a saga de um homem que viveu todas as possibilidades do amor. Crescido entre a rigidez de costumes de uma pequena cidade e a pessoas que transcendiam as convenções de gênero, Billy desde cedo teve um espectro de paixões variado: da bibliotecária que lhe apresentou o mundo da literatura ao padrasto, passando pelo valentão local e por sua grande amiga Elaine. Tendo realizado o desejo de se tornar escritor e vivendo em Nova York, Billy revê suas amizades e relacionamentos, mais de meio século depois, tentando conciliar-se com seus próprios desejos, e revela os meandros da questão homossexual nos EUA, ainda encoberta por tabus e preconceitos.

Os personagens transgêneros estão fortemente presentes nas paixões do personagen desde menino. Além disso, o livro também aborda a diversidade sexual e a epidemia de AIDS nos anos 80.

GEORGE - ALEX GINO

Seja quem você é. Quando as pessoas olham para George, acham que veem um menino. Mas ela sabe que não é um menino. Sabe que é menina. George acha que terá que guardar esse segredo para sempre: ser uma menina presa em um corpo de menino. Até que sua professora anuncia que a turma irá encenar “A teia de Charlotte”, e George quer muito ser Charlotte, a aranha e protagonista da peça. Mas a professora diz que ela nem pode tentar o papel porque... é um menino. Com a ajuda de Kelly, sua melhor amiga, George elabora um plano. E depois que executá-lo todos saberão que ela pode ser Charlotte — e entenderão quem ela é de verdade também.


Um livro bem recente, lançado em 2016. A história vai nos mostrar através dos olhos de uma criança trans como é viver sentindo-se preso dentro do corpo errado. A relação que o personagem tem com os outros e com como ele se sente é por vezes tocante. E causa até um aperto no peito quando percebemos a empatia que começamos a sentir por George.

A ARTE DE SER NORMAL - LISA WILLIAMSON

David Piper tinha oito anos quando foi questionado pela professora sobre o que queria ser quando crescesse. Respondeu à pergunta com cuidado. Só percebeu que havia algo de diferente em sua resposta quando os colegas começaram a dizer o que queriam ser: atriz, jogador de futebol, primeiro-ministro... Apesar disso, leu em voz alta o que havia escrito: “Quero ser uma menina". O tempo passou, David cresceu (mais do que gostaria), mas mesmo agora, aos 14 anos, continua com o mesmo desejo, compartilhado apenas com Essie e Felix, seus melhores e únicos amigos.
Leo Denton nem bem chegou à Escola Parque Éden e já ganhou os holofotes ao defender David Piper das agressões dos colegas na hora do almoço. O soco no nariz de Harry Beaumont rendeu-lhe um mês de detenção e o alerta de que está em observação, ou seja, mais um deslize e será expulso, algo que Leo precisará evitar de todas as formas. A vaga no colégio de classe alta parece ser a sua última chance na vida, o que vai livrá-lo tanto do conjunto habitacional perigoso onde mora com a mãe e as irmãs quanto dos acontecimentos que o obrigaram a trocar de escola.
Enquanto David faz de tudo para ignorar os ataques dos colegas que o chamam de show de aberrações, Leo luta para resistir aos encantos da menina mais bonita da escola, Alicia Baker. Garotas, ele bem sabe, podem se transformar em grandes complicações e neste momento não podem fazer parte de seu recém-iniciado projeto de uma nova vida. A história é contada sob o ponto de vista dos dois protagonistas, mostrando os diferentes mundos a que pertencem e o desenrolar de uma amizade muito especial.

A autora aborda o universo transgênero de uma forma muito leve, além de mostrar o cotidiano de um adolescente trans e a importância que uma amizade verdadeira tem na hora de enfrentar as dificuldades.

E SE EU FOSSE PUTA - AMARA MOIRA

E se eu fosse puta é o quê? Você, leitor, que me diz. Tem de tudo um pouco, mas, sobretudo, verdade, dessas que a gente gosta só debaixo do tapete, bem escondidinha. O dia a dia da rua, a barganha, a cama, o homem depois de gozar. Amara se vê travesti e junto descobre a vida que teria a partir de então. Puta aonde quer que fosse; fosse pra cuspir, fosse pra perguntar discretamente o preço ("tudo no sigilo, sou casado, sabe?"). Corpo que não tem lugar. Corpo que se fazia à revelia das regras, das normas. Corpo que se prestava pra sombra. Essa era eu, e eu não fazia sentido. Nem sabia aonde queria chegar. Quem me entendia? Esse livro é sobre a escolha que não faz sentido, esse livro é sobre buscar porquês. E se eu fosse puta? E se eu fosse você?

Esse livro é a realidade. Ele mostra os bastidores de um mundo repleto de preconceitos. Onde pessoas trans e travestis são tratados como fetiche, como algo que deve ser mantido em segredo, como aberrações, como um erro. Através dos olhos de Amara e sua história, vamos saber o que muitas travestis e pessoas trans passam na nossa sociedade preconceituosa. 

MEU NOME É AMANDA - AMANDA GUIMARÃES

Com mais de 245 mil inscritos em seu canal no Youtube e vídeos que alcançam mais de um milhão de visualizações, a youtuber Mandy Candy conta sua história em livro. Nascida em Gravataí, no Rio Grande do Sul, Amanda nasceu num corpo de menino do qual sempre se sentiu desconectada. Ela juntou dinheiro e aos 19 anos, com o apoio da mãe, foi para a Tailândia fazer a cirurgia de redesignação sexual. Em seu canal no Youtube, ela fala, entre outras coisas, sobre feminismo e identidade de gênero, e faz enorme sucesso entre os adolescentes. No livro, Mandy conta tudo sobre bullying, sua fase de transição e sua trajetória até se tornar uma das youtubers mais conhecidas da internet.

Mandy Candy é super famosa por seus vídeos no YouTube e, com certeza, uma inspiração pra muita gente. No seu livro, vamos conhecer um pouco mais da sua história, sua transição e trajetória até se tornar uma das maiores YouTubers LGBT do Brasil.

BEING JAZZ - JAZZ JENNING

Aos cinco anos, e com o apoio dos pais, Jazz passou a viver como uma garota. Um ano depois, ela foi entrevistada por Barbara Walters, que abordava exatamente o assunto sobre crianças trans. A repercussão foi tão grande que a pequena Jazz foi convidada para outras entrevistas e para fazer um documentário e diversas outras coisas. Nesta espécie de autobiografia, Jazz aborda toda a sua experiência na mídia e como isso foi ajudou a construir uma atitude geral com relação à comunidade transgênero. Mas as coisas não foram fáceis. Apesar de ter enfrentado muitas dificuldades, como bullying, discriminação e rejeição, ela deu a volta por cima. E hoje em dia, ajuda a conscientizar os demais e mostra sua vida como uma adolescente transgênero, sempre respaldada pelo apoio e amor incondicional de sua família.

Jazz é famosa por seu enorme envolvimento com o ativismo pelos direitos LGBT e por ser uma das mais jovens e proeminentes vozes dentro das discussões sobre identidade de gênero. Neste livro, ela aborda o desafio que é para uma pessoa trans passar pela adolescência, uma vez que as mudanças em geral são ainda mais significantes (o corpo está mudando, o interesse em relacionamentos, sexualidade...). É um livro que fala muito sobre aceitar as diferenças e sobre como é ser uma pessoa trans. Infelizmente, ainda não foi lançado no Brasil, mas há boatos que uma editora já comprou os direitos. #Oremos

Entrevista com Barbara Walters. Infelizmente, não achei legendado. =/

PARTE 1

PARTE 2

Bom, gente, é isso! Gostaram?
Se conhece mais livros trans, comenta aí. 

Beijos Literários!

2 comentários:

  1. Helena que postagem maravilhosa. Adorei as dicas e adorei saber que o nome correto é, redesignação sexual. O George eu já tenho, mas ainda não li. Acabei de colocar os demais na minha wish list.
    Beijos

    ResponderExcluir